Since 1979
07
Dez 07
publicado por Luís Veríssimo, às 11:33link do post | comentar

Ontem à noite sem saber muito bem porquê utilizei numa frase o tempo verbal no presente do indicativo. Nada de extraordinário, poderão dizer alguns. Na verdade não é nada assim de muito extraordinário. Mas quando já passou mais de 16 anos, e se utiliza o pretérito perfeito há muito, e a mágoa deu lugar a saudade, e a saudade deu lugar a nostalgia, e o sentir dor é melhor que o esquecimento, e a dor imensa é melhor que não sentir nada. Talvez... talvez seja um pouquinho extraordinário. Já não me lembro de há quanto tempo utilizar o passado. Também já não me lembro da última vez que utilizei o presente. Isto depois de ontem à tarde nas compras de Natal na Gulbenkian ter pensado na minha mãe. Pensei que apesar da minha magra conta bancária adoraria gastar algum dinheiro num presente para ela. Seria de fácil contentamento: uns brincos, uma pulseira, um lenço,... um beijo, um último beijo...


nostalgia e melancolia sao sentimentos que são precisos apreender-se a viver..mas nao tenho duvidadas que se ela se orgulharia de ti ;)
TD
td a 7 de Dezembro de 2007 às 20:04

mais sobre mim
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
21
22

25
27
28

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO