Since 1979
30
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 22:08link do post | comentar | ver comentários (3)

"Miga de forma descuidada as cascas das duas generosas fatias de melancia que acabou de comer. É bom vê-la comer assim. Não é mulher de comer muito. Nunca foi. Diz que não come muito por causa dos diabetes e do colesterol. Está magra. Muito magra. Principalmente da cintura para baixo. Apenas tem mamas. Não aquelas que em tempos já teve. Sempre foi conhecida pelas suas mamas enormes. Deixou de o ser um dia. No final de Dezembro dum certo ano uma panela de pressão rebentou quando estava a entrar na cozinha. Partes do cozido foram-lhe parar em cima, queimando a blusa de tirilene que vestia. Depois de curadas as inúmeras cicatrizes nos dois peitos, estes foram-lhe reduzidos para metade. Deixou de ser a mesma. Continua a usar frescas blusas de tirilene."


29
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 16:28link do post | comentar
Na Bossa Nova não temos como mestres apenas Tom Jobim, ou Vinícius de Moraes, ou Sérgio Mendes, ou João Gilberto. Temos outros, aos quais muitas vezes não se associa sequer a Bossa Nova. É o exemplo dos senhores que vos apresento este mês aqui nesta rubrica.
 

 

1. Vida, Chico Buarque, Vida(1980)
Francisco Buarque de Hollanda, ou simplesmente Chico Buarque (n. 1944) tem uma carreira musical riquíssima desde os anos 60. É também dramaturgo e escritor. É considerado um "monstro" na actual cena musical brasileira. Caracterizado pelos seus olhos azuis enormes. Dele aqui vos deixo Vida do seu álbum Vida de 1980.

1. Vida
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Deixei a fatia
Mais doce da vida
Na mesa dos homens
De vida vazia
Mas, vida, ali
Quem sabe, eu fui feliz
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Verti minha vida
Nos cantos, na pia
Na casa dos homens
De vida vadia
Mas, vida, ali
Quem sabe, eu fui feliz
Luz, quero luz,
Sei que além das cortinas
São palcos azuis
E infinitas cortinas
Com palcos atrás
Arranca, vida
Estufa, veia
E pulsa, pulsa, pulsa,
Pulsa, pulsa mais
Mais, quero mais
Nem que todos os barcos
Recolham ao cais
Que os faróis da costeira
Me lancem sinais
Arranca, vida
Estufa, vela
Me leva, leva longe
Longe, leva mais
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Toquei na ferida
Nos nervos, nos fios
Nos olhos dos homens
De olhos sombrios
Mas, vida, ali
Eu sei que fui feliz
Luz, quero luz,
Sei que além das cortinas
São palcos azuis
E infinitas cortinas
Com palcos atrás
Arranca, vida
Estufa, veia
E pulsa, pulsa, pulsa,
Pulsa, pulsa mais
Mais, quero mais
Nem que todos os barcos
Recolham ao cais
Que os faróis da costeira
Me lancem sinais
Arranca, vida
Estufa, vela
Me leva, leva longe
Longe, leva mais
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz

 

2. Samba e Amor, Caetano Veloso, Qualquer Coisa (1975)

Caetano Veloso (n. 1942), o quinto filho de Dona Canô (n. 1908) é um dos mestres e irmão duma das divas da música brasileira, Maria Bethânea. Foi o único cantor brasileiro até ao momento que cantou numa cerimónia dos Oscars. Tem uma vasta carreira musical de produção excessional. Do álbum Qualquer Coisa de 1975 escolhi Samba e Amor.

2. Samba e Amor
Eu faço samba e amor até mais tarde
E tenho muito sono de manhã
Escuto a correria da cidade que arde
E apressa o dia de amanhã
De madrugada a gente ainda se ama
E a fábrica começa a buzinar
O trânsito contorna a nossa cama - reclama
Do nosso eterno espreguiçar
No colo da benvinda companheira
No corpo do bendito violão
Eu faço samba e amor a noite inteira
Não tenho a quem prestar satisfação
Eu faço samba e amor até mais tarde
E tenho muito mais o que fazer
Escuto a correria da cidade - que alarde
Será que é tão difícil amanhecer?
Não sei se preguiçoso ou se covarde
Debaixo do meu cobertor de lã
Eu faço samba e amor até mais tarde
E tenho muito sono de manhã


26
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 15:34link do post | comentar

Visionado a 25 de Julho.


  


Cartazes: 5


Trailers: 4,5


Montagem: 4,5


Fotografia: 4,5


Argumento: 4,5


Realização: 5


Interpretações: 5


Banda Sonora: 4,5


Efeitos Especiais: 5


Cenários (exteriores): 4,5


Média: 4,7


Classificação Geral: 5 em 5


Aspecto Negativo:


O hype de volta do filme é exagerado. É muito sustentado pela fabulosa interpretação de Heath Ledger. Mas o filme tem mais, mesmo muito mais, que um Joker malandreco um pouco sanguinário.


Aspecto Positivo:


É sem dúvida alguma um grande filme, um filmaço. Mas queria salientar a forma como Chicago está filmada de forma brilhante. Christopher Nolan consegue aqui uma das suas melhores realizações.


25
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 07:33link do post | comentar

Prazer = Prevenção + Protecção


24
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 19:22link do post | comentar | ver comentários (4)

Há uns dias atrás comprei uns espetos para espetadas de metal. Estreei-os com umas espetadas de lulas que ficaram razoavelmente interessantes. Ontem aprimorei-me e fiz umas de porco. Mas o mais interessante desta receita é o molho de cogumelos. Quem comeu deliciou-se. Ora vejam:


 


Receita para 2 pessoas (6 espetadas):


 


Ingredientes para as espetadas:


- 18 cubos de carne de porco;


- 12 camarões grandes sem casca;


- 6 cogumelos inteiros cortados ao meio;


- 12 cubos de melão;


- pimenta branca;


- óregãos;


- sal.


  


Preparação:


Depois de tudo cortadinho, compus as espetadas da seguinte forma: melão, carne, cogumelo, camarão, carne, camarão, cogumelo, carne e melão. Temperei-as com sal, pimenta e óregãos. Deixei-as repousar durante umas duas horas antes de cozinhar, mas não seria necessário. Cozinhei-as no forno com este no máximo durante 15 minutos, mais 10 com o forno desligado.


 


Ingredientes para o molho:


- cogumelos;


- 1 pacote de natas; 


- coentros frescos;


- massa de alho;


- piri-piri;


- azeite;


- sal.


  


Preparação:


Coloquei um fio de azeite numa frigideira e cortei os cogumelos grosseiramente lá para dentro. Mexi e tapei a frigideira. Passados uns 2 a 3 minutos coloquei o resto dos ingredientes, mexendo de cada vez que punha um, pela seguinte ordem: natas, massa de alho, piri-piri, sal e coentros frescos picados. O lume manteve-se no mínimo, fui mexendo sempre e ao fim duns 5 minutos desliguei. Deixei repousar. O repouso fez com que o molho engrossasse. Antes de servir aqueci-o durante outros 5 minutos, mexendo sempre.


 


Acompanhamento:


O acompanhamento foram batatas e bróculos cozidos apenas em sal e com uma folha de louro.


 


Notas:


Os cubos de carne de porco que utilizei foram cortados por mim, eram de duas costeletas que tinha no congelador. Podem ser utilizados rojões, que são ligeiramente mais espessos.


Ao servir reguei as espetadas e o acompanhamento com o molho de cogumelos. Fiz o molho para evitar que se temperasse o acompanhamento, e para avivar a alma das espetadas.


23
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 05:34link do post | comentar | ver comentários (4)

«Acordou com frio. Olhou para a frente e viu a parede. Voltou-se e viu-o a ele. Dormia. Pelo menos aparentava dormir. Tinha a certeza que dormia. Passou as suas mãos pelo seu cabelo, estava oleoso. Não lhe tocou mais. Queria preservar aquele momento. Tapou-se e fechou os olhos. Adormeceu. Não foi bem aquele dormir verdadeiro. Dormitou. O seu sono estava muito leve. É normal, estava numa cama estranha, os estores não estavam totalmente corridos, e da porta do quarto entre-aberta via-se a luz clara do nascer do dia numa casa com vista para o Castelo. Mas tinha um sorriso nos lábios ao voltar a adormecer, lembra-se disso. Esse sorriso era motivado por lembranças dessa mesma noite. Como o convite para um Moscatel da Bacalhôa pode ser um (falso) motivo para algo mais...»

tags:

21
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 18:40link do post | comentar | ver comentários (5)

É oficial! Já tenho hi5! Estou tão contente! Estou que nem posso... Assim já não estou excluido.

tags:

19
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 13:06link do post | comentar

Visionado a 16 de Julho em antestreia.


 


  


Cartaz: 3


Trailer: 2,5


Diálogos: 3


Fotografia: 4,5


Argumento: 4 


Realização: 4


Interpretações: 4


Banda Sonora: 3


Efeitos Especiais: 3


Cenários (exteriores): 3,5


Média: 3,45


Classificação Geral: 4 em 5


Aspecto Negativo:


O parecer demasiado previsível e o de poder ser confundido com um dos filmes de David Lynch.


Aspecto Positivo:


O retrato sociocultural do interior norte-americano, pessoas e lugares estão assustadoramente bem retratados.


16
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 16:09link do post | comentar | ver comentários (3)

... quando me esparramo no sofá a ver episódios do Lost e a comer pão e quilos, muitos, quilos de cerejas. Daquelas bem docinhas e bem sumarentas e bem vermelhas. À falta de cerejas vai melancia, também bem doce e bem sumarenta e bem vermelha. Gosto do Verão por poder deliciar-me com estas frutas.


15
Jul 08
publicado por Luís Veríssimo, às 13:37link do post | comentar | ver comentários (3)

Palavras para quê? Absolutamente maravilhoso, ofensivo, corrosivo e brilhante. Capa do próximo número da revista The New Yorker, a publicar no próximo dia 21 de Julho de 2008.



O candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama, de turbante e a mulher, Michelle Obama, com traje militar.


mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
14
17
18

20
22

27
28
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO